sábado, 5 de novembro de 2011

Inside job


http://www.youtube.com/watch?v=FzrBurlJUNk



Quando Henry Paulson deixou a Goldman Sachs, antes da falência, para tomar posse como Secretário do Tesouro do governo de G. Bush em Maio de 2006, não veio de mãos a abanar - trouxe uns largos milhões de dólares a título de compensações.
Esse foi apenas um aspecto (e ainda assim menor) da enorme crise imobiliária nos EUA que pôs em questão toda a política neoliberal cujo objectivo principal era (e é ainda) retirar do Estado a regulamentação dos movimentos financeiros a nível mundial de forma a proteger os indescritíveis lucros dos investidores que se dedicam a este tipo de especulações.
A desregulamentação precedeu e determinou esse fenómeno político-económico da globalização.
Está hoje em dia patente que a finalidade da globalização é exclusivamente a movimentação mundial do capital, de forma essa sim global, permitindo aos especuladores reinventar formas de multiplicar o seu património financeiro, sem qualquer respeito por Estados, governos ou sociedades.
Especialistas, professores e analistas de conceituadas escolas de administração e finanças dos EUA converteram-se em conselheiros governamentais com principescas remunerações e privilégios.
As políticas de cariz social são execradas como despesistas e apontadas como causa major dos deficits estatais. Em desespero de causa são apontadas soluções nas quais a prosperidade é baseada na liberalização dos negócios como promotor de emprego e de riqueza.
A soberania dos Estados é transferida para o FMI e para fundos estruturais meramente adjuvantes.
O filme Inside Job mostra à saciedade como, enquanto o contribuinte ingénuo se esgota por manter as suas responsabilidades, um bando criminoso de especuladores gananciosos e imorais refocila num mar inominável de triliões que tenta avidamente repartir. Tudo isto enquanto os responsáveis governamentais assobiam para o lado como se nada tivessem a ver com o caso.
Tudo isto enquanto muitos países tentam implementar sistemas produtivos de desenvolvimento económico afastando-se de sectores vitais de produção de riqueza como a actividade agrícola e outros. Tudo isto em nome da neo-liberalização da economia e dos movimentos indiscriminados de capitais.
Estamos assim, nós e muitos outros, debaixo do jugo do manto superior do capitalismo onde se jogam as cartadas de casino do capitalismo puro e duro, nós pessoas normais que trabalhamos para sobreviver pagando as nossas contas, os nossos impostos, satisfazendo as nossas responsabilidades, com grave prejuízo da qualidade de vida e por vezes da própria subsistência.
Somos a maioria.
Só não entendo porque é que não conseguimos fazer ouvir a nossa voz .
É tempo de o fazermos, antes que nos devorem!











2 comentários:

  1. Olá, Caríssimo Daniel:
    Foi através do blog "Mainstreet" do J.Albergaria que redescobri o seu poiso. Retomou o blog e em boa hora o fez.
    Não é todos os dias que se lê um texto tão certeiro, tão sentido e tão bem escrito como este.
    Agora, e aos poucos, vou ler os outros seus textos começando pelos poemas.

    Um grande abraço
    Júlia

    ResponderExcluir
  2. Olá Júlia!
    Também tenho sabido de si por "caminhos cruzados". Sabe que tenho grande admiração por si e foi com grande prazer que vi o seu comentário.
    Um grande abraço amigo!
    Daniel

    ResponderExcluir