quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Para Pablo Neruda




Geração do poema






Não estás morto,não estás morto.


Estás apenas dormindo.


Como dormem as flores


quando o sol se reclina.






o poema está aí onde tu o inventas
e a tua mão subverte esse tempo indefinível que lateja
na antecipação do prazer
como o sexo

está aí o poema, só teu, em nudez total
depois move-se, sempre inacabado, suplicando na dor do corpo
e rasga-te
no movimento
esse instante que ninguém viu ou sentiu ou respirou senão tu
profano aprendiz da agonia da palavra exacta
da revelação
do rio profundo da matéria

está aí o poema, possuindo-te já e não possuído
tomando-te o suor incendiado na vigília que entra pela manhã
calcinando-te no fogo interior da sua construção
está aí o poema
entre o sim e não, o amor e a morte, o anjo e a mutilação
o nada e a revelação
está aí senhor e servo da tua criatura
em mudança permanente




Pedro Saborino


Nenhum comentário:

Postar um comentário